POLÍTICA

Brasil libera passagem de estrangeiros em vulnerabilidade na fronteira com a Venezuela


Fronteira entre os dois países está fechada desde março de 2020, por conta da pandemia da Covid-19. Portaria publicada nesta quinta-feira (24) acrescentou exceção a migrantes vulneráveis vindos da Venezuela. Imigrantes recém-chegados ao Brasil caminham rumo a Boa Vista pela BR-174
Inaê Brandão/G1 RR/Arquivo
O Brasil liberou nesta quinta-feira (24) a passagem de migrantes venezuelanos em vulnerabilidade social. A portaria com as novas regras para restrições excepcionais e temporárias de entrada no país, foi publicada nesta quinta-feira (24) no Diário Oficial da União (DOU).
A fronteira do país com a Venezuela, em Pacaraima, ao Norte de Roraima, está fechada desde 18 de março de 2020, como medida do Governo Federal para conter o avanço do coronavírus. Desde então, imigrantes têm entrado no país por rotas clandestinas para fugir da crise econômica e social do regime de Nicolás Maduro.
LEIA MAIS: Roraima concentra quase 60% dos pedidos de refúgio no Brasil em 2020
A flexibilização da entrada dos estrangeiros pela fronteira deve ajudar no processo de regularização e interiorização dessas pessoas para outros estados, afirma o general Antonio Manoel de Barros, coordenador da Operação Acolhida, ação chefiada pelo Exército e responsável pelo atendimento à imigração venezuelana em Roraima.

Se nós não regularizarmos os venezuelanos, não poderemos interiorizar. Será feita a regularização retroativa [para imigrantes já presentes no Brasil], de acordo com os meios disponíveis, para que possamos fazer de forma coordenada e organizada. Dentro desse processo, nós vamos conseguir avançar na regularização, dar dignidade e aumentar a interiorização

, informou o general.
Apesar da flexibilização, a fronteira continua oficialmente fechada. Por conta disso, conforme Barros, as entradas diárias serão limitadas a uma quantidade ainda a ser definida.
Superintendente da Polícia Federal em Roraima, delegado José Roberto Peres e general Antonio Manoel Barros, coordenador da Operação Acolhida
Caíque Rodrigues/G1 RR
Os imigrantes também serão divididos em grupos de prioridade, de acordo com o grau de vulnerabilidade. São eles:
Crianças ou adolescentes desacompanhados;
Famílias com crianças ou adolescentes;
Pessoas com problemas de saúde;
Idosos;
Pessoas que correm grave ameaça a integridade física.
Inicialmente, serão regularizados, ainda em junho, os estrangeiros que já estão no Brasil, nos abrigos de Pacaraima, principal porta de entrada dos venezuelanos no país. A previsão da Acolhida é de cerca de 1,4 mil imigrantes.
Desde fevereiro, a Operação realiza testes de Covid-19 nos migrantes que chegam no país, além do processo de isolamento e tratamento de quem estava com a doença. De acordo com o general, os procedimentos serão mantidos.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   23/07/2021 12h02





POLÍTICA  |   23/07/2021 09h55